quarta-feira, 24 de maio de 2006

Nosso Fruto Proíbido

Foi de primeira...logo q cheguei lá reparei q ela era diferente no meio da multidão, ela dançava d um jeito diferente das outras, não d forma espalhafatosa, as vezes até discreta, mas seus movimentos eram excitantes e precisos, no ritmo da musica...q era Trance, uma das vertentes da musica eletrônica, q parece hipnotizar.
Engraçado era ver os outros caras q tambem a desejavam babar por ela...eles chegavam perto, diziam alguma coisa e ela continuava sorrindo e dançando, mas não dava importancia as investidas.Continuei a observa-la, cabelos longos e loiros, olhos claros, seios médios e bonitos q se destacavam no vestido provocante q ela usava, nada muito vulgar...mas muito convidativo.
Percebi q ela olhava pra mim, eu ainda distante, apenas observando, fui pra outro lugar do ambiente pra ver se era pra mim mesmo q ela olhava...e era, depois d algum tempo ela continuou olhando e sorriu d uma forma q me deixou num estado de extase parece, aquele sorriso me despertou pensamentos sujos.

Fui até ela. Não falei nada, apenas comecei a dançar com ela, na frente dela, coloquei minhas mãos na cintura dela puxei aquele convite para o pecado pra perto d mim, ela continuava com aquele sorriso, colocou a mão na minha cabeça e puxou d leve meu cabelo, o tesão, a vontade e a curiosidade só aumentava, a abracei enquanto nossos corpos se mexiam em sintonia daquela musica, q parecia invadir a alma e o corpo.

Comecei beijando seu pescoço, da forma mais carinhosa e excitante possivel, vi nos seus olhos q ela estava gostando, susurrei coisas sacanas no ouvido dela e comecei a olhar para o rosto dela, bem d perto, sua expressão dizia q as nossas intenções eram as mesmas.
Beijei com vontade seus lábios carnudos, um beijo muito gostoso q serviu pra confirmar mais ainda q nós precisavamos encontrar um lugar mais tranquilo pra se divertir, a calça já estava ficando apertada.

Depois d um tempo incalculável, de muitos beijos, abraços, besteras no ouvido e mãos percorrendo o corpo...decidimos sair de lá.


Sentei confortavelmente na beirada da cama, como ela havia me pedido.
Tirou um lenço da bolsa e vendou meus olhos. Disse q por enquanto eu deveria controlar meus impulsos e q só ela iria guiar minhas mãos por seu corpo.
Começou beijando minha boca suavemente, passando a língua em meus lábios, fiquei imaginando oq ela faria comigo...o tesão era tão grande q parecia q até o ar estava pesado, abriu os botões da minha camisa, um por um, enquanto beijava meu peito sussurava com uma voz d tesão, dizia q desde q me havia me visto a uns minutos atrás ja sentiu algo por mim, não me segurei e minha mão tocou suas pernas...ela segurou minha mão e começou a lamber as pontas de meus dedos, chupou a ponta do meu dedo, e enquanto pedia pra eu me controlar, ia introduzindo meu dedo em sua boca, fazia d um jeito bem sacana

- Eu q vou permitir se vai me tocar ou não.
Relaxa.

Relaxei.

Sentou no meu colo.Ia dançando em cima d mim, conforme a música tocava. Minha calça estava ficando cada vez mais apertada, mas na situação em q me encontrava aquilo não tinha a menor importância. Continou rebolando em cima de mim, puxei seu pescoço pra perto da minha boca, ela continuava dançando enquanto eu beijava e lambia seu pescoço, nos beijavamos com muita vontade e tesão, comecei a acariciar seus seios com as minhas mãos enquanto ela ja soltava uns gemidinhos de prazer, saiu de cima de mim e tirou minha camisa, disse pra eu esperar um pouco, deu alguns passos e pude ouvir ela colocando bebida em duas taças, se aproximou e sugeriu q eu virasse tudo de uma vez só, tinha um cheiro bom de vinho, mas não era. Bebi, era forte...mas muito bom.
Tirei a venda. Quando a olhei ela estava bebendo e olhando pra mim, com um jeito lindo, jeito de quem sabe oq fazer numa situação dessas. E com a cara mais safada q aquele rosto inocente conseguia fazer ela disse:

- Deita na cama.

Deitei. Ela ainda estava com a taça nas mãos, foi se aproximando e deitou perto de mim, ficou me olhando, viu meu corpo sem camisa e minha calça apertada e começou a passar a mão no meu peito, passou a lingua nos labios e começou a beijar meu peito, jogou um pouco da bebida em mim e foi bebendo do meu corpo, me inclinei um pouco pra cima e ela jogou um pouco mais da bebida, o líquido desceu pela minha barriga e foi por baixo da minha calça, ela seguiu o rastro e foi lambendo meu corpo, abriu o botão de minha calça e puxou o zíper com os dentes, tirou minha calça e subiu em cima de mim. Voltamos a nos beijar, cada vez com mais tesão, abaixei as alças de seu vestido e toquei em seus seios, ela os aproximou de meu rosto e fiquei louco quando os tocou de leve em minha boca, encostava o bico e se afastava...por fim ficou parada e deixou q eu beijasse e lambesse seus seios, como aquilo era bom...seus gemidos ficavam cada vez mais altos e ofegantes.

Tirei seu vestido e deitei em cima dela, nos abraçávamos e nos beijavamos como se fossemos amantes a muito tempo, passava meus lábios sobre seu corpo, até q cheguei na sua calcinha, rasguei com força e rapidez, olhei pra ela, estava com um sorriso bonito e sacana. Ela passou a mão no meu cabelo e começou a puxá-lo assim que eu me fiz presente entre suas pernas...nossa! como eu me empenhava naquilo! As vezes beijava e lambia a parte interna de suas coxas, e imediatamente voltava pra lá. Quando fiz q ela chegasse no ponto máximo de prazer seus gritos e gemidos já podiam acordar algum vizinho insone.
Ela se levantou e fez o mesmo comigo, fechei os olhos e pensei estar no paraíso, quando abri meus olhos se encontraram com os dela enquanto ela me satisfazia...disse pra ela levantar e a joguei na cama, deitei em cima dela e transamos muito, suas unhas arranhavam minhas costas e seus gemidos entravam no meu ouvido, me senti completo e pleno naquele momento, mordia de leve minha orelha enquanto chegavámos no orgasmo. Juntos...depois de algumas horas paramos, pois o cansaço deu as boas vindas.
Foi tudo perfeito.
A música.
O lugar.
A bebida.
O tesão.


"...e o corpo inteiro como um furacão,
boca, nuca, mão e a tua mente não,
ser teu pão, ser tua comida
todo amor que houver nessa vida..."

Acordei com essa música na manhã seguinte, deitado na minha cama ouvi um barulho de chuveiro...fui até o banheiro e lá estava ela, tomando banho de porta aberta...

Hum!!! O que eu fiz a respeito já é uma outra história...



Viva o amor sem mentira!
Viva o sexo sem pudor!

2 comentários:

**Lais** disse...

Oi ***
ai
amei seu conto..gostei muito..só essa quarto na balada ´é q ficou meio loko, mas ta muito bom, e nem preciso dizer da musica do Cazuza q´ficou d+!!
Beijinhus..
te adoru..

Julio Moraes disse...

Cara, mto bom o conto erotico hein...para maiores de 18...r.s.rs.rs..

abraços até a prxo.. =)