sábado, 5 de janeiro de 2008

Saudade


Essa saudade me mata,
essa saudade me cala...
é como uma chuva fina de madrugada,
é o olhar vazio de uma mulher mal amada.
É a maça do pecado pra morder e a boca do amor pra beijar,
é o whisky pra beber e o cigarro pra fumar.
Essa saudade me esfria, me apaga
é como sentimento que não faz bem e nem faz mal,
que não é brisa nem vendaval.
O dia-a-dia me traz loucura
pois sei que o tempo nem sempre cura.
Você faz eu me sentir mais vivo, mais perto de Deus,
e essa saudade...
faz meus olhos brilharem quando penso nos seus.
A saudade que tenho de você,
é um filme em preto e branco que quer ser colorido
é uma busca por novos lugares, é um entra e sai de bares...
minha saudade é, alem de tudo, verdade.
Esse sentimento agora mora no meu peito
e minha cama já virou leito,
pois agora vivo tentando dormir só pra sonhar com você.

5 comentários:

Adal disse...

Por meio das suas rimas você consegue retratar o sentimento de carência que a saudade causa nas pessoas.

http://pensamentosdoadal.blogspot.com/

Sophia Fidélis disse...

Saudades... às vezes, sinto o mesmo, mas acredito que você expressa de um jeito mais sutil... Lindo! Bem verídico e poético!

;)

só sei que nada sei... disse...

Parabéns!!! Esse post sobre saudade é de uma magnitude incrível, muito lindo, muito íntimo, muito real. Adorei a simplicidade e o tom poético do texto. Parabéns mesmo!

Carolina Augusta

Lalo Oliveira disse...

O mais cruel da saudade é o descaso do motivo.

Lalo Oliveira disse...

visite: www.poeses.blogspot.com

Abraço.